Niterói por niterói

Publicado

Rodoviários farão assembleia para avaliar se aceitam reajuste abaixo do reivindicado

Por Redação
| aseguirniteroi@gmail.com
Rodoviários estão com salários congelados há dois anos e decidiram entrar em estado de greve e manter as reivindicações de reajuste salarial imediato de 10%
sintronac
Rodoviários de cinco municípios entram em estado de greve. Foto: Divulgação Sintronac

Rodoviários de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Tanguá farão assembleia de avaliação da campanha salarial da categoria nesta sexta-feira (12). Será a segunda rodada de deliberações, após a oferta patronal de reajuste salarial de 4%, pagos em novembro deste ano e julho de 2022, e aumento de 25% na cesta básica. A reivindicação dos trabalhadores, que estão com os salários congelados há dois anos, é de reajuste salarial imediato de 10%, mais que o dobro do que foi proposto.

Leia mais: Nos principais hospitais privados de Niterói, apenas um paciente Covid segue em UTI

Além disso, eles reivindicam aumento de 20% nas demais cláusulas econômicas do contrato de trabalho; R$ 400 para o valor da cesta básica (hoje é R$ 280); comissão de 2% para os motoristas que acumulem a função com a de cobradores e instalação de cofres nos pontos finais de maior circulação.

– Por enquanto, as empresas não avançaram nas negociações e vamos realizar essa assembleia para avaliar a campanha salarial e deliberar sobre os próximos passos de nossa mobilização. O certo é que os rodoviários não aguentam mais os salários congelados, diante de uma inflação que corrói a cada mês a qualidade de vida dos trabalhadores – destacou o presidente do Sintronac, Rubens dos Santos Oliveira.

Leia também: Projeto que pode viabilizar prédios de 15 andares em Charitas ainda é um mistério para vereadores

Na avaliação da diretoria do Sintronac, as empresas podem conceder um percentual de reajuste maior, já que reduziram a frota em circulação em até 50% e cortaram, durante a pandemia, 30% do pessoal, algo em torno de 3,9 mil profissionais, mesmo participando do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm). As companhias que aderiram ao benefício não podiam demitir trabalhadores, pois o BEm cobria boa parte dos salários daqueles que entravam em regime de redução de carga horária ou revezamento por escala.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email