Niterói por niterói

Publicado

Niterói volta a ter pacientes internados com Covid na UTI

Por Redação
| aseguirniteroi@gmail.com
Depois de quase dois meses com baixa taxa de ocupação , hospitais particulares têm 40 doentes internados
hospitais
Aumento de casos começar a ter impacto nas internações hospitalares. Foto: Divulgação/Prefeitura

Niterói possui 20 pacientes internados em UTIs e 21 em quartos particulares em hospitais da rede privada. A informação foi divulgada nesta terça-feira (8) no novo boletim do Sindhleste (Sindicato dos Hospitais Clínicas e Casas de Saúde de Niterói).  Na rede privada, ainda há uma criança internada em UTI. O número de casos da doença aumentou 52% no Estado na última semana, conforme divulgado pelo A Seguir: Niterói.  A marca supera os números de qualquer semana de 2020 e, mesmo no ano passado, já com a variante Delta, apenas sete semanas tiveram resultado tão ruim.

Leia mais: Cresce o número de internações por Covid em hospitais de Niterói

Os números de Niterói acompanham a tendência de aumento dos casos documentada pelo A Seguir, que mostrou na última semana as enormes filas que se formaram na policlínica Vital Brazil e a procura de testes de farmácia, que levou ao fim dos estoques de uma das maiores drogarias de Icaraí. Pelo dados fornecidos pela Prefeitura à estatística do estado, o aumento foi de 47% dos casos em apenas uma semana. Já em relação à ocupação hospitalar, a Prefeitura não atualiza há uma semana o número de internações na rede SUS. O último dado que consta no painel de acompanhamento da Covid no portal Sigeo da Prefeitura é do dia 2 de junho.

No Complexo Hospitalar de Niterói (CHN), os casos diagnosticados de Covid-19 aumentaram cerca de 20% no mês de maio de 2022, se comparados com abril do mesmo ano. O aumento, contudo, não teve grande reflexo no número de internações e na gravidade da doença devido à alta cobertura vacinal que a cidade apresenta. De acordo com o diretor-médico do CHN, Dr. Felipe Ribeiro, os pacientes não vacinados, comprovadamente, apresentam a forma mais grave da doença e ficam mais tempo internados e, infelizmente, podem ir a óbito.

COMPARTILHE