Niterói por niterói

Publicado

Niterói pode ter recorde de casos de Covid, com mais de 500 doentes em 24 horas

Por Redação
| aseguirniteroi@gmail.com
Número de casos no Brasil pode ser até sete vezes maior do que aparece nas estatísticas, segundo Universidade de Washington
Moradores lotam postos de atendimento, laboratórios e farmácias em busca de testes para Covid. Foto: Lívia Figueiredo

O Painel da Covid da Secretaria de Estado de Saúde registrou nesta terça (11) um salto no número de novos casos da doença em Niterói: foram mais de 500, em 24 horas. Os números vinham crescendo desde as festas de fim de ano. No Natal, estavam estabilizados em 82 casos. No Ano Novo,  a estatística somou mais 116 contaminados. Na primeira semana do ano, 178.  A rapidez do avanço da Ômicron, que se percebe na lotação dos postos de testagem e na falta de testes nas farmácias , finalmente, apareceu nos dados oficiais, com 623 novos casos desde domingo – mais de 500 nas últimas 24 horas.

Apesar do salto na contagem, epidemiologistas consideram que existe enorme subnotificação dos registros, diante do alto índice de contágio da Ômicron. O sistema de Saúde de Niterói havia reduzido a testagem, diante da queda do número de casos no final do ano passado, mantendo apenas cinco postos, no início do ano. Foi preciso ampliar a capacidade de testagem, com a reabertura do posto do Campus da UFF, o drive-thru do Gragoatá. Mas as filas são enormes, com mais de cem carros na abertura do atendimento. No posto do Vital Brazil chegou a haver confusão na semana passada, pela falta de testes e atendimento restrito a 30 pessoas. Moradores reclamam que o serviço de agendamento não funciona. O movimento também é grande nas farmácias, com filas constantes.

Testes de Covid já estão em falta em farmácias de Niterói

O número registrado em apenas três dias da segunda Semana Epidemiológica do ano, a SE 2/22, representa o maior pico da doença desde a SE 37/21, em setembro, quando foram notificados 1.129 casos, em sete dias, e começou a queda do contágio pela variante Delta, então dominante. O recorde da pandemia foi de 1.619, na SE 15/21, em abril, no pico da doença.

Um estudo realizado pela Universidade de Washington, na semana passada, estima que o Brasil atingirá um recorde de 1 milhão de casos, por dia, ainda em janeiro. E deve chegar a 1,3 milhão de novos registros a cada 24 horas em fevereiro. Pelos cálculos dos pesquisadores, existe enorme subnotificação do registro de casos no Brasil, pela dificuldade de testagem e pelo apagão de dados. O número real de casos da doença pode ser até sete vezes maior do que aparece nas estatísticas brasileiras.

O avanço da doença, no entanto, não repete a ocupação de leitos hospitalares registrada no ano passado, quando Niterói chegou a ter mais de 90% dos leitos e UTIs reservados para pacientes de Covid ocupados, com mais de 600 pessoas internadas nas redes pública e privada. No momento, o movimento é grande nos ambulatórios e os hospitais registram demora no atendimento – especialmente pela falta de médicos. Um médico de um dos maiores hospitais da cidade relatou que estão convocando médicos fora da escala para recompor a equipe em função das muitas baixas por Covid entre os profissionais de Saúde.

Secretaria Municipal de Saúde

Uma das medidas anunciadas pela prefeitura para melhorar o atendimento nas redes municipais de saúde foi a ampliação do horário de atendimento. Todas passariam a fazer, esta semana, a testagem de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h (aberto ao público até às 16h) e sábado, das 8h às 12h (aberto ao público até às 11h). Porém, não houve informações a respeito do aumento do número de testes. Nas redes sociais da prefeitura, há muitos relatos semelhantes: as filas são formadas cedo e não há atendimento para todos, como estava acontecendo na semana passada.

Desde a última segunda-feira, o A Seguir: Niterói tem questionado a Secretaria Municipal de Saúde, a respeito da quantidade de testes disponíveis; da dificuldade de agendamento via aplicativo Dados do Bem; as longas filas que continuam se formando em toda a rede para vacinação e testagem. Até o momento, não obteve  respostas.

COMPARTILHE