Niterói por niterói

Publicado

Niterói é uma das cidades com maior número de interrupções de energia por incidentes com pipas

Por Livia Figueiredo
| aseguirniteroi@gmail.com
Na cidade, 42.501 clientes foram impactados entre janeiro e dezembro de 2021 e 164 incidências foram registradas
Cresce ocorrências de queda de energia por pipa
Crescem ocorrências de queda de energia por incidentes com pipa, em Niterói. Foto: Reprodução/Enel

Um levantamento da Enel Distribuição Rio revela que, nos 12 meses de 2021, mais de 388 mil clientes ficaram sem energia por causa de pipas que atingiram a rede elétrica da área de concessão da companhia. Niterói aparece no ranking das regiões com o maior número de clientes impactados. A cidade ocupa a quinta posição, atrás apenas da Região dos Lagos, Campos, Magé e São Gonçalo.

Leia mais: Niterói fará mutirão de atendimento para casos de suspeitas de prisões arbitrárias

Em Niterói, 42.501 clientes foram impactados entre janeiro e dezembro de 2021. O número de incidências ficou em 164. Na Região dos Lagos, foram identificados 100.477 clientes impactados. Em Campos, foram 60.285 e, em Magé, 55.450. São Gonçalo, nesse mesmo período, teve 44.658 clientes impactados. Na Região Serrana, 38.603. Por fim, Macaé registra 29.546 clientes impactados e a região Sul 17.366.

A interrupção do fornecimento de energia causada por pipas pode ocorrer por diversas razões. Além do risco de rompimento dos cabos, as linhas que ficam enroscadas na rede elétrica provocam desgaste na fiação, o que pode contribuir para curtos-circuitos e risco de choques elétricos. Nesses casos, a distribuidora envia equipes para realizar os reparos necessários e substituir a fiação.

– As interrupções de energia, mesmo que de curta duração, geram grandes transtornos aos clientes, impactando a atividade comercial e o dia a dia das pessoas. Neste sentido, é importante reforçar os riscos de se empinar pipa próximo da rede elétrica e a necessidade de os pais orientarem as crianças e os adolescentes sobre os cuidados necessários – afirma o responsável por Operação e Manutenção da Enel Distribuição Rio, Thiago Martins de Morais.

Leia também: Número de pacientes com Covid em UTIs mais que dobra em Niterói

Dicas de segurança

A Enel Distribuição Rio compartilha importantes dicas sobre prática de empinar pipa, para que ela ocorra de forma saudável e com segurança.

Confira abaixo:

• Caso a pipa se enrosque na rede, postes ou antenas, oriente os praticantes a não arremessar objetos nos fios e não tentar resgatá-los. Somente técnicos da distribuidora, treinados para este trabalho, que exige o uso de equipamentos de segurança, estão aptos a manusear a rede;

• Soltar pipas perto da rede elétrica é extremamente perigoso, sob risco da linha ou da pipa enroscar nos fios, ocasionando descarga elétrica. O mais indicado é empinar pipas em espaços abertos e afastados de fiações, como parques e campos de futebol;

• Materiais metálicos, como o alumínio, não devem ser usados na fabricação da pipa, pois conduzem eletricidade, aumentando a chance de choque elétrico, com risco de morte;

• Evite a utilização de “rabiolas”, pois elas agarram nos fios elétricos, desligando o sistema e provocando choques, muitas vezes fatais;

• Não é indicado soltar pipas na chuva. Ela funciona como para-raios, conduzindo energia e podendo provocar acidentes fatais;

• O uso de cerol (pó de vidro com cola) oferece mais um risco: ele corta os fios de alumínio ou de cobre, o que pode levar a choques por rompimentos de cabos;

• O uso da chamada linha chilena, que possui poder de corte quatro vezes maior que o cerol tradicionalmente usado nas pipas, tem agravado a situação. O risco de acidentes fatais é alto para pedestres e motociclistas e os danos à rede elétrica também são maiores;

• É aconselhável ter sempre um adulto responsável acompanhando as crianças no momento da brincadeira.

• Em casos de cabos partidos, os clientes devem manter-se afastados e avisar imediatamente a distribuidora pela Central de Atendimento (0800 28 00 120), ou pelos perfis da Enel nas redes sociais, através do Facebook e Twitter.

COMPARTILHE