Niterói por niterói

Publicado

Moradores de Niterói buscam testes de Covid, mas são submetidos a testes de paciência

Por Livia Figueiredo
| aseguirniteroi@gmail.com
Falta de insumos para testes ou reposição de kits a uma velocidade de conta gotas é o que se vê, no momento, em farmácias e laboratórios da cidade
Laboratório Bittar tem alta procura por teste de Covid nos últimos dias. Foto: Livia Figueiredo

Fazer um teste de Covid, em Niterói, está ganhando ares de gincana, quando se busca o atendimento em farmácias ou laboratórios. A informação de que algum desses estabelecimentos está fazendo o atendimento corre rapidamente e, logo, filas são formadas. Garantir uma senha ou um “bom” lugar na fila é como uma primeira vitória. Porém, se o teste de Covid será mesmo feito é outra história. Já o teste de paciência é garantido.

No laboratório Bittar, da rua Presidente Backer, em Icaraí, há dois dias, filas enormes estão sendo formadas na sua porta. Em contato telefônico com o laboratório, nesta quarta-feira (12), uma atendente informou que o material para teste RT- PCR está em falta e sem previsão de reposição, até o momento. Porém, ainda era possível realizar o exame antígeno pela modalidade Swab – aquele em que um cotonete é introduzido pelo nariz para a coleta da amostra, em todas as quatro unidades da rede.

Leia mais: Niterói pode ter recorde de casos de Covid, com mais de 500 doentes em 24 horas

Nesse caso, o atendimento está sendo feito por ordem de chegada. A jornalista Sonia Joia relatou:

– Meu marido acabou fazendo no Bittar, hoje, pagando particular. Os laboratórios Bronstein, Lâmina e Labs, que temos em nosso plano de saúde, não estão mais agendando, porque parece que acabaram os testes. Ele foi cedinho para o laboratório e ficou lá na fila de espera. No laboratório, disseram que estão separando a fila do teste de Covid dos outros, sendo que os de Covid só seriam feitos a partir das 11h. Porém,  como chegaram poucas pessoas para outros testes, ele acabou conseguindo fazer. O resultado está previsto sair hoje. A dica para ir no Bittar foi da minha filha, que também só conseguiu fazer o teste de Covid, lá – contou a jornalista que está com Covid, cumprindo o isolamento e em esquema de trabalho home office.

A dona de casa Mara Leal, 61 anos, também teve dificuldade para agendar testes nesta semana. Ela começou a ter sintomas da doença na quinta-feira passada (6). Desde então, vinha tentando agendar o teste.

– Na madrugada de quarta para quinta já não passei muito bem. De início, o corpo meio dolorido, calafrios, mas não tive febre em nenhum momento, mas garganta ardendo bastante inicialmente. Agora esses sintomas passaram, exceto pela tosse e fadiga. Eu comecei a procura por teste na segunda-feira. Nenhuma das farmácias atendia o telefone. Como estava meio indisposta para ficar andando, a minha irmã fez uma ronda pelas farmácias de Icaraí e todas falavam que não estavam fazendo testes por falta de material e que, devido à grande demanda, não estavam conseguindo repor o material. Decidi ir a dois laboratórios. Já tinha conseguido o pedido com um médico para fazer pelo plano de saúde. Um dos laboratórios estava agendando apenas a partir do dia 17 e o outro a partir do dia 20. Voltei para casa meio desanimada – contou.

A saída foi seguir o conselho do sobrinho que ficou sabendo que duas farmácias, uma no Centro, e outra em Itaipu, estavam realizando o teste de Covid sem agendamento, por ordem de chegada. Mara optou por seguir rumo à Miramar, no Centro, e conseguiu fazer o teste.

– Até então, eu estava achando que a Prefeitura estava lidando bem com a pandemia, mas agora estou começando a achar que está deixando a desejar em relação aos testes. Eu cheguei a responder o questionário lá no aplicativo da Prefeitura e eles me informaram que eu realmente precisava fazer o teste, mas ainda não obtive retorno que eles dizem que eu iria receber pelo próprio aplicativo- comentou.

Niterói volta a ter pacientes internados com Covid em UTIs

Já na Venâncio, também do Centro, testes deixaram de ser feitos desde a semana passada por falta de material. Segundo uma funcionária, não há previsão de chegada dos kits. Em outras unidades da rede, porém, testes ainda estavam sendo feitos, como por exemplo, na que está localizada na rua Paulo César, em Icaraí. Até ontem (11), cerca de 40 testes estavam sendo realizados, por dia, com resultado em 25 minutos. A técnica utilizada é o Swab nasal.

A rede Raia Drogasil suspendeu o agendamento online de testes de Covid por falta de estoque.

Quando há alguma reposição do material necessário para teste de Covid, a velocidade é a de conta gotas, como é o caso da drogaria Farmais, em Charitas, e da Mirafarma, no Ingá. Nesta, o teste está sendo feito por ordem de chegada e o atendimento é até às 19h. Quando o A Seguir Niterói falava com o funcionário, pelo telefone, na tarde desta quarta-feira (12), havia apenas três pessoas na fila. Na Farmais, o esquema não é muito diferente. No local, a testagem também é feita por ordem de chegada, a técnica utilizada também é o swab nasal e não há marcação, porém na farmácia a procura era um pouco maior: 10 pessoas estavam na fila no momento da ligação.

Média semanal de casos positivo de Covid quase dobra em uma semana

Levantamento realizado pela Dasa, maior rede de saúde integrada do Brasil, mostra que a média semanal de positividade para SARS-CoV-2 na rede passou de 26,01%, na semana passada (29 de dezembro de 2021 a 4 de janeiro de 2022), para 42,68%, nesta semana (de 5 a 11 de janeiro de 2022) nas unidades da rede de todo Brasil. O volume de testes de RT-PCR para Covid-19 cresceu 81% em uma semana.

No Rio de Janeiro, a média da positividade passou de 30,29% na semana passada (29 de dezembro de 2021 a 4 de janeiro de 2022), para 50,63% nesta semana (de 5 a 11 de janeiro de 2022).

Em decorrência do aumento expressivo de procura por testes diagnósticos de Covid-19 e Influenza A, no Rio de Janeiro, os laboratórios Sérgio Franco, Lâmina e Bronstein reorganizaram temporariamente o seu estoque frente à demanda global pelos insumos para priorizar os atendimentos dos pacientes internados e dos profissionais da área de saúde e de serviços essenciais.

Em nota, os laboratórios Sérgio Franco, Lâmina e Bronstein reforçaram seu compromisso em atender com excelência e qualidade técnica seus pacientes, atuando incansavelmente para normalizar as operações o mais rápido possível.

Leia também: Qual máscara usar?

Teste rápido de farmácias no Rio mais que dobram

De acordo com um levantamento da Abrafarma, associação que reúne grandes redes farmacêuticas do país, os testes rápidos em farmácias no Rio de Janeiro mais que dobraram de novembro para dezembro. Um balanço do levantamento mais atualizado, que vai até o dia 2 de janeiro, revela que o número total de testes em novembro foi de 29.816. Já em dezembro, esse número sobe para 64.067. A média de casos, por dia, também teve uma alta expressiva: 44 para 764, em dezembro. Em novembro, 1.313 pessoas testaram positivo. Em dezembro, 14.510, o que revela um aumento de cerca de 1000%.

Nesta quarta-feira, a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) recomendou aos laboratórios privados brasileiros que “cessem” a testagem de pacientes com poucos sintomas ou assintomáticos para a Covid-19. A justificativa para a pausa dessa avaliação dos pacientes de baixo risco está na iminente falta de insumos para a realização de testes RT-PCR – aqueles que identificam o material genético do vírus – além de testes de antígeno – que detectam proteínas ligadas ao coronavírus.

Em nota, a Abramed sugere que sejam priorizados “os pacientes que tenham maior gravidade de sintomas, pacientes hospitalizados e cirúrgicos, pessoas no grupo de risco, trabalhadores assistenciais da área da saúde, e colaboradores de serviços essenciais”. Os assintomáticos e pacientes de pouco sintomas devem seguir o isolamento necessário para conter a disseminação do vírus, diz a instituição.

 

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email