Niterói por niterói

Publicado

Escola pública de Niterói, única franco-brasileira da América Latina, é “protagonista” de filme

Por Livia Figueiredo
| aseguirniteroi@gmail.com

COMPARTILHE

O Ciep 449 funciona em Charitas. O longa “Salut Mes Ami.e.s!”, que será exibido no Cine Arte UFF, aborda a rotina de alunos do último ano
Liliane Mutti com alunos do Ciep 449
A diretora Liliane Mutti com os alunos do Ciep 449, na Sala Nelson Pereira dos Santos. Foto: Daniel Zarvos

Liliane Mutti cursava mestrado na Universidade Federal Fluminense (UFF) quando observou que poucas pessoas, mesmo de Niterói, sabiam da existência do CIEP 449, em Charitas, uma das poucas escolas integrais do estado do Rio de Janeiro e a primeira pública franco-brasileira da América Latina. O resultado dessa epifania culminou no filme “Salut Mes Ami.e.s!”,que faz um recorte da rotina de um grupo de adolescentes que está no último ano letivo, após dois anos árduos de pandemia, confinamento e aulas remotas.

Leia mais: Morador de Niterói, Lucchesi assume Biblioteca Nacional para fazer república de inclusão, ideias e livros

O filme fez a sua pré-estreia mundial na Sala Nelson Pereira dos Santos em dezembro do ano passado e será exibido, de forma gratuita, na próxima quarta-feira (18), às 19h, no Cine Arte UFF. Na sequência, haverá um debate com a equipe, alunos, professores e funcionários do CIEP. O longa contou com o incentivo da Prefeitura Municipal de Niterói e da Secretaria Municipal das Culturas (SMC), por meio do edital de Fomento ao Audiovisual de Niterói 2028 e co-financiado pela Agência Nacional do Cinema.

No longa, a relação com a França é explorada e revelada pela diretora, que mora há cinco anos em Paris, a partir de uma idealização por parte dos adolescentes. A busca é por um olhar sensível na juventude pós-pandêmica, carregada de melancolia e que não desiste de sonhar.

Cena do filme “Salut, mes ami.e.s!”. Foto: Arquivo

– O CIEP 449 é uma escola muito particular. Não gosto de usar a palavra “modelo”, porque acredito que a escola deve estar sempre adaptada a cada realidade, mas arriscaria dizer que é uma escola que merece ter os holofotes que um documentário o força de jogar sobre o seu sujeito – ressalta a diretora do filme, Liliane Mutti.

Em entrevista ao A Seguir: Niterói, o diretor do CIEP 449 – Governador Leonel de Moura Brizola, Cícero Tauil, fala sobre a recepção dos alunos e define a trajetória da escola na conjunção de três pilares: funcionários, professores e alunos. O sucesso da metodologia da escola foi tamanho que culminou na inauguração de mais duas unidades no Rio. No ano passado, foi aberta uma unidade em Mesquita e, neste ano, em Volta Redonda.

–  A gente entende que a educação de excelência só é possível através da conjunção desses três pilares. É o resultado de um trabalho de equipe não só de funcionários. E a Liliane Mutti está engajada no funcionamento das escolas públicas e percebeu que havia uma escola pública franco-brasileira de excelência. Ela foi atrás de informações e gostou tanto do que viu que resolveu documentar. Os alunos ficaram muito felizes, afinal de contas, é a história da vida deles, eles participaram e tudo mais – conta Tauil.

A escola

No Ciep 449 Leonel de Moura Brizola, o aluno aprende a nova língua, por meio do estudo das Ciências da Natureza – com foco no Meio Ambiente, e realiza experimentos científicos, atividades lúdicas e interações culturais relacionadas aos países falantes da Língua Francesa.

Fundada em 2014, a escolha pela língua francesa se deu devido à relação com a França de um dos subsecretários que estava diretamente ligado ao projeto. Um dos destaques da escola é a disciplina de Ateliê Científico, com aulas ministradas em francês. O Ciep 449 ainda é reconhecido por alcançar todos os anos no Delf – exame oficial da língua francesa – uma média de 90 a 95% de proficiência no idioma.

Trecho do filme “Salut, mes. ami.e.s”. Foto: Arquivo

Metodologia

A metodologia do Ciep 449 é o que a consagra. Cada disciplina deve servir de motivação para o conhecimento da língua e da cultura francesa, além de promover um grande trabalho interdisciplinar, de desenvolvimento intra e interpessoal. Para isto, são utilizadas metodologias diferenciadas que “quebram” o paradigma do ensino da língua estrangeira nas escolas regulares do ensino básico.

O processo de seleção do corpo docente da escola é rigoroso, com definição prévia dos critérios, perfil, análise de currículos e entrevista na língua francesa. Para a implantação da escola, a equipe passou por uma formação inicial durante um ano inteiro (2013) para incorporar as metodologias inovadoras de ensino. Esse processo acontece tanto no Brasil, quanto na França. Posteriormente a esta formação inicial, são realizadas reuniões semanais com a presença de todo o corpo docente para uma conversa sobre as perspectiva da escola de forma integrada.

Sobre o filme

Liliane Mutti vem do audiovisual e lembra que, quando foi fazer mestrado na UFF, estava muito interessada em biografar mulheres através do cinema. Em conversa com o A Seguir: Niterói por telefone, ela conta que encontrou “guarida” para essa pesquisa com a psicanalista Marília Etienne Arreguy, que tem uma forte rede entre intelectuais franceses. Foi quando decidiu fazer mestrado em Educação, no grupo de pesquisa de diversidade e, em seguida, participou de um programa de convenção internacional pela UFF com a Sorbonne IV e a Nouvelle Sorbonne em Altos Estudos Sobre a América Latina.

– Durante o período da UFF, passei a frequentar muito Niterói e me encantei pela cidade e pelos prédios do Oscar Niemeyer, como é o caso do CIEP 449. Por volta de 2017, descobri o CIEP 449 e fiquei surpresa que essa escola resistisse, mesmo com todos os ataques e difamações que os CIEPs sofrerem, especialmente da mídia anti-Brizolista. Então, convidei o diretor de fotografia Daniel Zarvos, que é sobrinho do Darcy Ribeiro e grande conhecedor, para desenvolvermos um projeto de filme sobre a escola. Mas como o processo de um filme costuma ser dinâmico, senti que eram os jovens que mais me interessavam – relembra.

O filme tem como foco os jovens e seus vínculos e relações. Foto: Arquivo

Daniel, que é também produtor do filme, então observou que Mutti estava prestes a fazer um filme “clariciano”, que remete à linguagem de Clarice Lispector para o cinema. O olhar feminino passou a ser a força motriz do filme, e gerou o convite da montadora, Daniela Gonçalves.

O processo

Por conta da pandemia, todas as cenas foram dirigidas à distância. Durante o processo de filmagem, era feito um acompanhamento de pesquisa dos personagens. Depois, o filme foi todo costurado na sala de montagem, sem tanta preocupação cronológica dos dias filmados na escola.

A diretora, Liliane Mutti, em Paris. Foto: Arquivo

Referências

Na época, Mutti morava em uma residência artística em Paris e seu vizinho era o cineasta Frederick Wiseman, que tinha acabado de ser homenageado no Festival  Cannes.  Após algumas conversas de corredor, ela ficou com vontade de revisitar o filme “High-School”, feito por ele em 1968.

– Me parecem dois anos emblemáticos, 1968 e 2022, anos intensos, de ruptura e esperança. Por todo esse contexto, e mais esse meu interesse em filmes biográficos, pela subjetividade e o foco na juventude, chegamos no “Salut, mes ami.e.s!”, que é um documentário em ritmo de live action, sem depoimentos ou abordagens mais formais – explica.

A pré-estreia

Quando o filme foi exibido, em dezembro do ano passado, a diretora relembra a catarse que foi o encontro com os “personagens” da história.

– Vê-los florescer foi muito emocionante. Essa escola é uma joia e merece ser protegida e multiplicada. Depois da projeção, visitamos a escola acompanhados do Guilherme Zarvos e pude ver o Cícero Tauil, o diretor da escola, “existindo” com a escola viva. Ele me parece ser uma espécie de Dom Quixote, por lutar para manter essa escola integral de pé – comenta.

Liliane Mutti em visita ao Ciep 449. Foto: Daniel Zarvos

Temáticas sociais e de gênero

Segundo Mutti, “Salut, mes ami.e.s!” não é exatamente um filme “queer”, mas revela uma geração fluida em matéria de sexualidade. A escolha foi se concentrar na turma do último ano, por estarem vivendo o rito de passagem e o encerramento de um ciclo, o escolar.

– São jovens que amam, namoram, se apaixonam, têm questões com a família, falam de timidez, depressão, desejo de morar fora do país… O filme abre esse divã e traz questões que às vezes esses jovens não têm com quem dialogar. Acho que essa geração tem muito a nos ensinar em matéria de liberdade, desejo, aceitação, escolha e principalmente respeito. Me pareceu que essa escola está cumprindo o seu papel de formar cidadãos, pessoas com sentimentos e não apenas em dar resultados. Há realmente uma convivência entre classes sociais. Isso é revolucionário, como diz o diretor da escola no filme. Tem algo afetuoso ali, que provoca uma reflexão sobre que escola e que sociedade queremos construir – afirma a cineasta.

Tauil endossa ao falar sobre a importância da cultura na formação dos alunos:

– A cultura é fundamental. Abre novos horizontes para os alunos, mostra as possibilidades que eles têm tanto nacionalmente quanto internacionalmente. Temos alunos nossos que foram estudar na França. Mostrar que isso é possível é o principal fator que nossa escola promove – destaca o diretor da escola.

Serviço:

Exibição do filme Salut, mes ami.e.s!

Data: quarta-feira (18), às 19h
Local: Cine Arte UFF – Rua Miguel de Frias, 9, Icaraí
Entrada franca

SALUT, MES AMI.E.S!
Brasil, 2022, 73’, 10 anos
de Liliane Mutti

Sinopse: Um grupo de amigos está no último período da escola bilíngue. Dentro de um prédio de concreto, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, eles passam cerca de 10 horas por dia vivendo a cultura da França no Brasil. Enquanto jogam rugby e descobrem a sexualidade, eles olham o oceano Atlântico

COMPARTILHE