Niterói por niterói

Publicado

Conheça os riscos das superbactérias encontradas nas praias de Niterói

Por Redação
| aseguirniteroi@gmail.com
Estudo da UFF avaliou quatro praias da cidade; pesquisador explica o motivo da preocupação
Design sem nome (75)
“Encontramos um número razoável de superbactérias no microplástico”, diz o professor Henrique Fragoso. Foto: Orla viva, orla limpa.

Uma pesquisa feita pela UFF em quatro praias de Niterói encontrou dois problemas graves em suas areias: microplástico e superbactérias. O estudo, que faz parte do projeto “Orla limpa, orla viva”, apontou uma relação entre esses dois microelementos, que podem causar graves problemas à saúde.

As bactérias estavam entre as primeiras formas de vida na Terra, e estão presentes em praticamente todos os ecossistemas. A maioria não causa nenhum problema à saúde dos humanos, entretanto há também bactérias que representam riscos à saúde. Já microplásticos são um corpo estranho no meio ambiente e podem causar diversos problemas. O que o departamento de Biologia Marinha da UFF encontrou é uma relação problemática entre os dois, em quatro praias muito frequentadas de Niterói.

Leia mais Pesquisa da UFF revela existência de superbacterias nas praias de Niterói

Para entender melhor os riscos, o A Seguir: Niterói conversou com o vice-coordenador da pesquisa, o professor Henrique Fragoso, sobre o que são superbactérias, quais problemas podem causar e o que pode ser feito para evitá-las.

Professor, o Departamento de Biologia Marinha encontrou superbactérias nestas quatro praias de Niterói. O que vocês encontraram lá?

Nós focamos em duas praias que são banhadas pela Baía de Guanabara (Icaraí e São Francisco), por ser um ambiente mais poluído, e em duas na Região Oceânica (Piratininga e Itaipu). E nelas, encontramos microplástico com bactérias resistentes a antibióticos.

Microplásticos encontrados nas praias de Niterói. Foto: Orla viva, orla limpa.

Qual a diferença de uma bactéria para uma superbactéria?

Uma superbactéria é a bactéria que resiste a diversos antibióticos. Então, se ela causar uma doença em um humano, ela não vai ter tratamento.

Vocês já sabem que bactérias são, e quais os riscos para as pessoas, que doenças podem transmitir?

A técnica que a gente usa mostrou milhares de espécies de bactérias presentes. E vimos um número razoável de bactérias patogênicas.

Nessa técnica, analisamos os genes, e vimos genes resistentes a antibióticos. Tem grande probabilidade de ter bactérias que causam doenças em humanos e outros animais, mas ainda não sabemos quais.

Quais os sintomas elas causam, e que tratamentos podem ter?

Os sintomas são comuns a doenças bacterianas. A diferença é que, quando você toma um antibiótico, você geralmente é curado. Quando a doença é por superbactéria, ela não vai responder ao antibiótico.

Quem frequenta essas praias pode então ficar doente? Quais os riscos?

O problema principal é o microplástico, que carrega a bactéria. Uma pessoa pode se infectar através do contato com a pele, ou por uma ferida.

A maioria das bactérias que a gente observou não vai te deixar doente, mas se tiver uma pessoa com um sistema imunológico enfraquecido, ela pode pegar as superbactérias e ficar muito doente. Ou ser saudável, pegar, e levar pra alguém que tenha um problema de saúde, e essa pessoa ficar doente.

O que o poder público pode fazer? E as pessoas, os banhistas, como podem se prevenir?

É um alerta para o poder público pra melhorar a limpeza das praias. Mas o microplástico, por ser muito pequeno, ter menos de 5 milímetros, precisa de uma técnica melhor pra capturar.

Existem metodologias que estão começando [a ser usadas], viáveis de serem aplicadas. Mas elas estão muito no começo.

Vocês pretendem continuar investigando as bactérias que encontraram?

Nós vamos aprofundar a pesquisa, ela está no início. Essa pesquisa, que faz parte do “Orla limpa, orla viva”,  é resultado da dissertação de mestrado de uma aluna da Biologia Marinha, a Emily Magalhães. É um esforço para entender problemas locais e tentar resolvê-los. A gente publica artigos que são importantes pra tentar entender. Vamos continuar estudando.

Pesquisadora no laboratório avalia material encontrado. Foto: Orla viva, orla limpa.

COMPARTILHE