Niterói por niterói

Publicado

Crônica: Quando o Brasil resolver cantar

Por Trajano de Moraes
Um reflexão sobre as bolhas nas quais estamos desesperados, inconformados, desesperançados e/ou impotentes com os rumos do país
Carimbó - krishna naudin
Foto: Krishna Naudin

Que país é este no qual a morte de uma cantora popular como Marília Mendonça repercute mais do que a de um Nelson Freire?, indagou o jornalista Murilo Rocha. Vivemos em bolhas, constatou a também jornalista Mônica Magnavita, surpresa com a popularidade da estrela. Por exigência profissional, bolhas de jornalistas precisam ser enormes. Um dia é a taxa Selic, no outro o treino do Flamengo. Mas não deixam de ser bolhas.

Jornalistas ou não, muitos de nós estamos na bolha dos desesperados, inconformados, desesperançados e/ou impotentes com os rumos do país. Abro o jornal e dou de cara com Cora Rónai às voltas com cupins em seu apartamento. Tudo para comparar o Brasil atual a um móvel devorado por dentro por cupins. Já Guga Chacra escreve que a longa decadência argentina pode transformar o país vizinho num Brasil! Claro que há outra bolha, a dos que acreditam em mitos e só pensam em 2022.

Felizmente, ainda há bolhas em que vale a pena entrar. Nos últimos dias, fui apresentado a uma delas. O disco “Áfrico: quando o Brasil resolveu cantar”, com melodias do cantor, compositor, instrumentista e arranjador mineiro Sérgio Santos, e letras do poeta e escritor Paulo César Pinheiro. A canção que dá nome ao disco fala em tambor de jongo, terno de Congo, tambor-de-mina, bumba-meu-boi, boi-bumbá, bambaquerê, samba, ijexá. Pergunta quem fez aqui baticum, candomblé, capoeira, quem trouxe o maracatu, quem faz o maculelê, mineiro-pau, côco, caxambu, bangulê, a xiba, o lundu, o cateretê. E responde: quando o Brasil resolveu cantar. Foi quando o Brasil resolveu cantar que a dor se transformou em som de carnaval, em batucada, em melodia. Foi a força que fez mudar toda tristeza em alegria, canta Sérgio Santos.

A canção teve para mim efeito terapêutico. Áfrico é um canto da negritude, mas também uma oração para que tenhamos de volta o país que amamos. Como um samba-exaltação de um Ary Barroso redivivo. Com a bênção do imortal Gilberto Gil.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email