Niterói por niterói

Publicado

Qual o melhor italiano de Niterói?

Por Raphael Chicayban e Mateus Latgé
O clássico salgado da cidade é o tema do primeiro episódio da série A Seguir: O Melhor de Niterói
qual-melhor-italiano
Raphael Chicayban em plena missão. Foto: Mateus Latgé

Como é o italiano perfeito? O recheio, bem na medida certa? E o queijo, bem derretido? Ah, e o copo de açaí, que não pode faltar. Raphael Chicayban experimentou, a convite do A Seguir Niterói, alguns dos italianos e açaís mais famosos da cidade, no primeiro episódio da série A Seguir: O Melhor de Niterói.

Puro Suco

Imagens: Mateus Latgé

Uma das lanchonetes mais tradicionais do bairro de São Francisco, localizada na Avenida Quintino Bocaiuva 325. O italiano custa R$8 e o açaí, R$10. O combo tem desconto e sai por R$16. Raphael pediu o italiano clássico, de queijo com presunto. Após retirar o pedido, Raphael vai para uma das mesas, na calçada, para experimentar o primeiro lanche do dia. Após algumas mordidas, ele lança uma avaliação:

– No Puro Suco, você tem um italiano bem parrudão, bem grande. A massa é leve, o queijo vem bem derretido e, melhor que isso, só com a maionese temperada da casa.

Raphael observa que a maionese veio em um saquinho individual por cliente, de plástico descartável. Antes da pandemia, vinha em um tubo que era dividido pelos clientes. Sobre a qualidade, ele tenta encontrar as palavras para descrever:

– Esse tipo de maionese você não vai encontrar em mercado, você vai achar em lanchonetes como essa aqui. Ela deixa o italiano em outro patamar!

Depois, vem o primeiro açaí do dia. Sem cobertura, para beber de canudo.

– Olha, está geladinho, acabou de fazer. É um açaí que você pode beber de canudo, não precisa de colher. É o melhor açaí de São Francisco, pelo menos.

Ponto Jovem

Imagens: Mateus Latgé

Uma das casas de suco e lanchonetes mais antigas de Niterói (Avenida Jornalista Alberto Francisco Torres, 115 – Icaraí), que abrigou e ainda abriga os fins de praia ou de festas, em que os jovens da cidade param de madrugada para comer um italiano. O segundo andar do prédio continua fechado, então Raphael atravessou a rua e fez sua degustação de frente para a praia, mesmo.

Preço: italiano R$8, açaí R$12,50.

– Olha, esse italiano tem uma memória nostálgica. Memória das pessoas que saíram das festas de madrugada e vinham pra cá às 4h da manhã fazer um lanche. Pra quem gosta de um italiano mais massudo, o Ponto Jovem tem essa marca registrada. Ele tem um pouco menos de recheio e a massa é meio adocicada. A maionese temperada tem uma textura de iogurte, com limão, alho, coisas assim.

Açaí

– O ponto jovem é uma das casas de suco mais tradicionais da cidade. O açaí é menos pastoso, mais líquido e tem uma consistência gostosa. É mais um suco do que um sorvete, digamos assim. E vem numa garrafinha, pra quem pede pra viagem.

Compão

Imagens: Mateus Latgé

Terceira parada, na Compão da rua Ator Paulo Gustavo, 122, em Icaraí. Funcionando desde 1987, a casa era querida pela geração saúde dos 1980 e 1990. O italiano comum é mais barato que a média, sai por R$7,50. Já o açaí puro, custa um pouco mais caro que nas outras duas lanchonetes: R$14,50. O total deu R$21,70. O espaço climatizado e a decoração são um complemento e transformam o lanche em outra experiência. Quanto ao sabor, Raphael dispara:

– A apresentação da Compão é maravilhosa, já dá vontade de comer. O italiano não é nem tão grande nem muito pequeno, e produção, vamos analisar a cor desse salgado! Esse italiano, com certeza, está no top 5 dos melhores italianos da cidade. A massa é muito fofinha, o recheio é presente na boca e tem aquela típica farinhazinha que tem em pizza, digamos assim. Acho que representa muito bem o italiano niteroiense.

Depois da maionese temperada da casa, o repórter, em sua difícil missão, começa a cantar:

– Heaven… i’m in heaven… maionese super fresquinha, uma das melhores que a gente provou até agora. Ela tem um cítrico, um pouco de limão, ervas… casa perfeitamente com o salgado.

Açaí

– Olha, esse açaí está maravilhoso. Geladinho, pastoso, denso da forma correta e não é muito doce, o que é muito bom porque dá pra sentir o gosto da fruta. Melhor combo, impossível.

Húngara

Imagens: Mateus Latgé

A pesar de também possuir casas em diferentes bairros da cidade, Rafael decidiu sair um pouco do eixo Zona Sul e foi para a lanchonete Húngara da Região Oceânica, no bairro de Itaipu (Estrada Francisco da Cruz Nunes, 3095). Preço do italiano e do açaí: R$8.  O combo sai por R$15, um ótimo custo benefício.

De primeira, nosso insaciável repórter repara na generosidade do queijo. O atendente colocou a sobra do queijo da fornada por cima do salgado. Veredito: massa fina, bastante recheio.

– Massa fininha e, além do queijo e do presunto, tem um queijo cremoso, abaixo do presunto. A cereja do bolo é a maionese: sensacional. Ela é mais salgada que as outras, tem umas ervas que eles usam aqui que são diferentes. É fresquinha. No delivery, as pessoas podem pedir maionese no meio do salgado.

Açaí

O dia estava muito quente e, por causa da textura de sorvete do açaí do Húngara, ele começou a derreter. Em um dia de calor, cai bem.

– Esse açaí parece um sorvete. Aqui em Itaipu, depois de pegar uma praia, é perfeito.

Veredito

A “produção” pediu que Raphael fizesse uma “escolha de Sofia” e apontasse o melhor italiano com açaí dentre os que havia experimentado. Depois de muita reflexão, o veredito do repórter:

– O lugar que eu mais gostei, hoje, foi Compão.

E ele deixa uma provocação: Qual o italiano e açaí de Niterói que, você, leitor mais gosta?

Na TV Nikity, um vídeo registra, na íntegra, a missão recebida por Raphael Chicayban de identificar o melhor italiano da cidade.

Raphael Chicayban tem 32 anos, cresceu em Icaraí e estudou no colégio São Vicente. Se formou em Publicidade na Universidade Estácio de Sá, e atualmente trabalha com publicidade e marketing. Gosta de frequentar o botequim Granel, de ver  pôr do sol na mureta de Jurujuba e de remar em Itaipu.

 

COMPARTILHE