Niterói por niterói

Publicado

Protesto pede respeito a aluna trans discriminada em escola de Niterói

Por Camila Araujo
| aseguirniteroi@gmail.com
Em frente ao Liceu Nilo Peçanha, no Centro, ato reuniu manifestantes no início da tarde desta quinta-feira (10)
lgbt fobia trans genero ato liceu nilo peçanha
Estudantes, parlamentares e membros da sociedade civil manifestaram repúdio ao caso de transfobia denunciado pela estudante Nicole Barbosa. Foto: Reprodução Twitter UBES

Estudantes da Escola Estadual Liceu Nilo Peçanha realizaram, nesta quinta-feira (10), um ato em protesto pelo caso de transfobia denunciado pela aluna Nicole Barbosa. A estudante trans foi questionada por uma funcionária da escola sobre por que havia utilizado o banheiro feminino e não o masculino. No registro de matrícula de Nicole consta seu nome masculino.

O ato em frente ao Liceu, na Amaral Peixoto, no Centro, contou com a participação de movimentos estudantis como a UJS Niterói, UBES e o grêmio estudantil, além de outros grupos contrários à discriminação. As vereadoras Benny Brioly e Walkiria Nictheroy também participaram da manifestação.

– A direção da escola teve um ato de transfobia ao expulsar uma jovem, uma adolescente trans do banheiro feminino. Nós não vamos aceitar que essa política genocida, que essa política de exclusão aconteça no município de Niterói. As medidas vão ter que ser tomadas – defendeu a vereadora Benny Brioli, em um vídeo divulgado nas redes sociais.

A parlamentar Walkíria Nictheroy também manifestou repúdio pelo caso e disse que o reconhecimento e o respeito à identidade de gênero passam pelo uso dos espaços públicos, como o banheiro.

– A direção precisa ser responsável por formar e orientar a sua equipe. Nós devemos ser respeitados e ter os direitos garantidos. Se essa escola de fato está comprometida com o respeito, nós vamos cobrar que as devidas medidas sejam feitas e não só de punição a qualquer funcionário, mas principalmente da instauração de um ambiente de respeito e aceitação – afirmou.

Segundo a Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro, o caso ocorreu devido a  um equívoco de uma funcionária do Liceu Nilo Peçanha, de Niterói, que abordou erroneamente uma aluna trans.

A Secretaria informou que apoia totalmente a defesa dos direitos e o tratamento respeitoso e inclusivo com todas as minorias que fazem parte da comunidade escolar e que, por uma reivindicação realizada pelos próprios alunos há dois anos, um banheiro especial foi instalado para atender ao público LGBTQIA+ na escola. No entanto, não há regra para o uso exclusivo deste banheiro.

Segundo a nota da Seeduc, a direção da unidade vai registrar o caso em ata e orientar a funcionária a agir de maneira adequada.

 

 

 

COMPARTILHE