Niterói por niterói

Publicado

Paraty terá a segunda escola indígena do Rio de Janeiro

Por Redação
| aseguirniteroi@gmail.com

COMPARTILHE

A primeira, o Colégio Indígena Estadual Guarani Karai Kuery Renda, fica em Angra dos Reis, também no Sul Fluminense
Paraty (RJ)
A nova escola de Paraty vai receber 75 alunos. Foto: Wikimedia/Agência Brasil

A autorização para a criação da Escola Indígena Estadual Guarani Tava Mirim, no município de Paraty, no Sul Fluminense, foi publicada no Diário Oficial do Estado do Rio desta quinta-feira (10). Ela oferecerá ensino fundamental, nas modalidades I e II, para 75 alunos.

Leia mais: Bicicletas elétricas não poderão passar de 20 km/h nas ciclovias de Niterói

Antes disso, a escola funcionava como uma sala de extensão da primeira unidade do segmento, o Colégio Indígena Estadual Guarani Karai Kuery Renda, em Angra dos Reis, também no Sul Fluminense.

Além dela, o colégio gerenciava outras duas salas de extensão, a Nhembo-e Renda, na aldeia de Rio Pequeno, e Karai Oca, na aldeia de Araponga. Todas as duas funcionam em Paraty, e, agora, estão vinculadas à unidade de Tava Mirim.

Voltada para a educação de jovens indígenas da aldeia de Paraty-Mirim e região, a abertura da escola atende a um pedido antigo da comunidade, além de representar um passo significativo na valorização das tradições culturais indígenas e na promoção de uma educação inclusiva.

– Estamos diante de um avanço na forma como a educação é concebida no Rio de Janeiro. A Escola Indígena Estadual Guarani Tava Mirim reconhece a importância de proporcionar um ambiente educacional inclusivo e culturalmente relevante para nossos jovens indígenas – afirmou, em nota, a secretária estadual de Educação, Roberta Barreto.

Em Maricá, município abriu turmas para curso de Guarani, em parceria com a Universidade Federal Fluminense (UFF)

Com Agência Brasil

 

COMPARTILHE