Niterói por niterói

Publicado

Niterói recebe selo internacional de ‘Cidade Árvore do Mundo’

Por Redação
| aseguirniteroi@gmail.com
Certificação foi entregue a outras 137 cidades no mundo; segundo o projeto censitário Arboribus, Niterói tem mais de 23 mil árvorestura
IMG_3861
Prefeitura informou que planeja plantar sete mil mudas até o fim de 2024. Foto: Divulgação/ Berg Silva

Niterói foi uma das oito cidades do país a receber o selo de “Cidade Árvore do Mundo”, concedido pelo programa Tree Cities of The World, administrado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e pela Arbor Day Foundation.

A divulgação foi feita pela Prefeitura, que informou que o selo é um reconhecimento mundial pelo plantio e cuidado com as árvores e leva em conta quesitos como quantidade de árvores, planejamento, gestão e cuidado com as florestas urbanas.

No total, 138 municípios de 21 países foram reconhecidos. Os municípios com o selo Tree Cities Of The World (“Cidade da Árvore do Mundo”, tradução livre) são conectados em uma rede dedicada a compartilhar e adotar as abordagens mais bem-sucedidas para gerenciar árvores e florestas comunitárias. Assim como Niterói, outras 34 cidades aderiram à rede de troca pela primeira vez.

No mundo todo, grandes metrópolis como Cambridge (Canadá), Barranquilla (Colômbia) e Birmingham (Reino Unido) também são reconhecidas com o selo concedido anualmente.

O Prefeito de Niterói, Axel Grael, considera que o reconhecimento se deve a política ambiental adotada pela cidade nos últimos anos:

“A arborização e as áreas verdes têm uma função fundamental na qualidade de vida e na amenização do microclima urbano. Atualmente, mais de 50% do território da cidade fica dentro de áreas de preservação ambiental, como o Parque Natural Municipal de Niterói (Parnit), que já conta com um plano de manejo. Este reconhecimento internacional é mais um impulso para Niterói seguir firme no caminho do desenvolvimento com sustentabilidade e justiça social”, disse o Prefeito.

Manutenção de espécies de Mata Atlântica

Desde 2013, mais de 70 mil mudas foram plantadas na cidade; oito mil só nos últimos dois anos, segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente. A Prefeitura informou que planeja plantar ainda mais 7.710 até 2024. O plantio faz parte do programa Verdes Notáveis, que insere indivíduos de espécies nativas da Mata Atlântica nas áreas de mata e também em recuperação da cidade.

A flora de Niterói também é monitorada com a ajuda da tecnologia. Cada árvore na cidade é identificada, avaliada, registrada pelo Arboribus, um projeto censitário da flora urbana da cidade em vias públicas e praças. Graças ao censo, sabe-se que há 23 mil árvores vivas cadastradas em 29 bairros da cidade.

“É um reconhecimento não só pela quantidade de árvores na cidade, mas também pelo planejamento, gestão e cuidado com as nossas florestas urbanas. Fico muito feliz por termos conquistado esse selo e saber que estamos no caminho certo”, reforçou a secretária de Conservação e Serviços Públicos, Dayse Monassa.

Para receber o selo, foi preciso atender a uma série de requisitos, como possuir uma lei ou uma política oficial que rege o manejo de florestas e árvores; ter um inventário atualizado ou avaliação dos recursos arbóreos locais para que um plano eficaz de longo prazo para plantio, cuidado e remoção de árvores da cidade possa ser estabelecido; um orçamento anual dedicado para a implementação rotineira do plano de manejo de árvores, entre outros.

O secretário de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade, Rafael Robertson, destacou a importância do trabalho de voluntários no replantio e manejo das mudas:

“Trabalhamos por uma cidade sustentável a longo prazo. Niterói é um exemplo no estado e no país com relação às políticas públicas implementadas em favor do meio ambiente. Além dos projetos de arborização em todas as regiões, também trabalhamos com educação ambiental para que o próprio cidadão também se sinta responsável. Os voluntários que nos ajudam também têm um papel importante neste processo. É um trabalho contínuo e de todos, com a gestão do poder público”, observou Robertson.

COMPARTILHE