Niterói por niterói

Publicado

Niterói Livros lança antologia digital com autores da cidade

Por Livia Figueiredo
| aseguirniteroi@gmail.com
Obra é a primeira feita totalmente por chamada pública; o lançamento será domingo (24) no Campo de São Bento
Pablo Jordão
O escritor Jordão Pablo Pão é o curador da antologia e coordenador da Niterói Livros. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Fatos curiosos e uma gama de assuntos que percorrem regiões, sob a perspectiva de quem é apaixonado por Niterói e de quem vive o cotidiano da cidade. Essa é a proposta da “I Antologia Niterói Hoje”, que chega a distância de um clique, literalmente, porque será lançada apenas no formato digital. Composta por 27 autores residentes de Niterói, a antologia reúne textos literários, jornalísticos e históricos e será lançada em um sarau literário no Centro Cultural Paschoal Carlos Magno, no Campo de São Bento, no próximo domingo, 24 de julho, das 13h às 15h.

Leia mais: Bar especializado em cerveja artesanal, Armazém São Jorge celebra seus nove anos no Jardim Icaraí

Parte dos autores que compõem a “I Antologia Niterói Hoje”; Aproximadamente 60% dos textos enviados são de mulheres. Foto: Reprodução

Todos os autores que colaboraram com o projeto participaram de uma chamada pública cujo objetivo é democratizar o acesso à informação. Eles estarão presentes no evento, uma oportunidade de conhecer mais sobre a obra de cada autor e de trocas literárias. O lançamento será aberto ao público.

A antologia faz parte de uma série de ações voltadas para o aplicativo da Niterói Livros, que será lançado também na semana que vem, disponível gratuitamente para smartphones e tablets. Além dos 62 títulos do selo e dos 60 clássicos da literatura brasileira, o público terá acesso à primeira antologia pensada no formato digital de autores da cidade.

Textos de diversos gêneros compõem um painel diversificado da criação textual da cidade e da leitura poética que nasce a partir de múltiplos olhares e vivências. O leitor vai poder conferir uma sequência de textos que, não apenas revela olhares dos cidadãos que nasceram ou residem em Niterói, mas que também apresentam criações próprias de quem possui uma conexão com a cidade. Tratam-se de produtos intelectuais humanos, oriundos de afetos ou de estudos, sobrepondo a ideia de livros encomendados.

O A Seguir: Niterói conversou com o curador de conteúdo da antologia, o escritor Jordão Pablo Pão, que é também coordenador da Niterói Livros e membro da Academia Niteroiense de Letras, sobre a importância da democratização da literatura, o processo de composição da “I Antologia Niterói Hoje” e sobre o próximo projeto do selo.

A diversidade de olhares impressa em cada página de texto se traduz em visões específicas e muitas das vezes particulares de um mesmo local. A construção de um panorama e uma tentativa de mapear o que acontece na cidade nos campos da história e da literatura são algumas das propostas da publicação.

– São lugares que a gente conhece, mas é muito curioso você olhar isso sob a ótica de um artista e de um historiador, porque ele vai buscar aspectos que nosso olho de cidadão, de participante da cidade, não vê. É muito interessante pensar que nenhum autor foi convidado. Todos atenderam aos critérios da chamada pública. E tem ainda outro ineditismo: é a primeira ação da Niterói Livros em que uma obra é feita totalmente por chamada pública. As pessoas contribuíram pelo simples prazer de falar sobre a cidade – explicou.

Curiosidades 

Jordão cita algumas surpresas que o livro traz, além de um olhar mais atento para bairros menos vistos, como o Fonseca. Locais da Região Oceânica que não são muito falados também são destaques. Na antologia, o Horto de Itaipu é descrito de forma autobiográfica, a partir da vivência de um grupo de amigos, com a proposta de uma leitura mais íntima do local, uma identificação genuína.

Em um texto, o narrador opta pelo cotidiano como fio condutor e não simplesmente a mera descrição de um local, mas o que aquela amplitude de vivências e memórias geram nele. O desdobramento dos acontecimentos, relatos pessoais, que ganham camadas mais afetivas. O Barreto é retratado sob um viés de uma loja descolada de discos. Em outro, a Lagoa de Piratininga é transformada na morada de um  gigante, como uma alusão ao leito da vida. A antologia ainda contempla uma linha mais voltada para pesquisa, como um pré-estudo sobre os nomes que Niterói já teve, crônicas jornalísticas sobre a Moeda Araribóia e sobre o nosso tempo.

A jornalista, pesquisadora musical e diretora da Niterói Livros, Chris Fuscaldo, completa:

– A fim de contemplar maior número de interessados, foi previsto um limite de 5.000 caracteres. As quase três dezenas de propostas recebidas compõem o produto. Apenas as que não estavam nas especificações de datas e horários de submissão não foram analisadas. As propostas apresentadas contemplam escritores locais, memórias ou referências a três regiões da cidade, com aproximadamente 60% dos textos enviados por pessoas que se reconhecem como mulheres.

Próxima estação

A intenção é nobre: ampliar o acesso à literatura e dar visibilidade a regiões que costumam não ganhar muito protagonismo, mas para além disso, a primeira antologia serviu também como um termômetro. Uma forma de analisar o que funcionou ou não na chamada pública, entender porque certos grupos não foram atingidos, como, por exemplo, a maior equidade de gênero, a participação de pessoas trans e de regiões que não foram contempladas, como Pendotiba. O objetivo é que a antologia seja cada vez mais igualitária, afinal, esse é o propósito de toda política pública: estimular o movimento de democratização de acesso.

– Essa antologia já nasceu imortal. Disponibilizá-la no aplicativo da Niterói Livros é uma forma de chegar mais longe e garantir que, caso acabem os livros impressos, essa antologia não morra. Niterói é como um elo que liga todos os textos. Alguns autores utilizaram a cidade como ponto de partida da história, outros como pano de fundo para fazer uma crítica, alguns para resgatar histórias. Já estamos pensando numa continuidade, uma segunda edição, que contemple autores que possuem certa relação com a cidade, que participam de saraus aqui, que possuem uma linha de pesquisa. A gente pretende ampliar geograficamente a nossa capacidade de unir pessoas – antecipa Jordão.

Serviço:

Lançamento da I Antologia de Niterói Hoje

Data: 24 de julho (domingo)

Horário: das 13h às 15h

Local: Centro Cultural Paschoal Carlos Magno (Campo de São Bento)

Endereço: Rua Lopes Trovão s/ número

Entrada gratuita

COMPARTILHE