Niterói por niterói

Publicado

Niterói já vacinou 95,9% da população adulta com a 1ª dose

Imunização completa já alcança 54% das pessoas com mais de 18 anos; postos seguem abertos para adolescentes e “atrasados”
niterói-recebe-novo-carregamento-de-vacinas-pfizer-janssen-e-astrazeneca
Vacinação chegou a 95,9% dos adultos. Divulgação/Prefeitura de Niterói

Foram sete meses de campanha, entre os altos e baixos da escassez de vacinas, mas Niterói disse sim à imunização e provou isso comparecendo em peso aos postos. Até o último sábado, quando foi concluído o calendário dos adultos, 95,9% da população acima de 18 anos havia tomado a primeira dose. A imunização completa (duas doses ou dose única), por sua vez, já chegou a 54% dos maiores de idade.

Em relação à população total, estimada em cerca de 515 mil pessoas, a cobertura da primeira dose já alcançou 76,1% dos moradores da cidade. Os dados também mostram que 42,% de todos os habitantes de Niterói já estão com a vacinação completa.

Apesar de ter concluído formalmente o calendário, Niterói segue com os dez postos de vacinação abertos para aplicações de segunda dose e imunização de adolescentes, que teve início nesta segunda. Além disso, a Prefeitura segue convocando os “atrasados” para ampliar a cobertura da vacina.

Todas as pessoas maiores de idade já estão aptas a receber ao menos uma dose de imunizante e quem estiver com a D2 em atraso também deve retornar aos postos o quanto antes para completar a imunização.

Recusa à vacina lota UTIs

Diante do avanço da variante Delta e do crescimento dos casos de Covid no estado, inclusive em Niterói, a vacinação se torna cada vez mais imprescindível no combate à pandemia. Dados da Prefeitura do Rio revelam que a recusa à vacina tem impactado diretamente na lotação de UTIs.

Em entrevista ao jornal O GLOBO, Ana Helena Barbosa da Silva, coordenadora médica da Terapia Intensiva do Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, a maior UTI de Covid-19 do Brasil, no Rio, relatou que 70% dos internados na unidade têm menos de 60 anos e a maioria não foi vacinada.

— É de rasgar o peito ver jovens morrendo. Pelo amor de Deus, se vacinem. Precisamos também que alguns líderes religiosos se conscientizem sobre as consequências trágicas de sua negação deliberada da ciência — acrescenta Silva.

Na cidade de São Paulo, por outro lado, o balanço de imunização vem surpreendendo. Na última sexta-feira, o vacinômetro mostrou que o índice de adultos vacinados na capital chegou a 102%.

Esse “fenômeno” tem duas explicações possíveis: pessoas que recebem vacinas fora das cidades em que residem – o ‘turismo da vacina’ – e na defasagem dos dados, já que o último Censo Demográfico do IBGE foi em 2010.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email