Niterói por niterói

Publicado

Escolas de Niterói retornam na segunda-feira (2) com aulas presenciais e on line

Ensino presencial segue como opcional, apesar de alta adesão; rede municipal também retorna na próxima segunda
Colégio Salesiano Santa Rosa : Foto- Divulgação
Colégio Salesiano Santa Rosa / Foto: Divulgação

Mesmo com o avanço do calendário de vacinação contra Covid, a rede de ensino de Niterói seguirá no modelo híbrido, ou seja, o aluno poderá optar pelo formato presencial ou remoto. O início do segundo semestre letivo das escolas da rede pública e privada está marcado para a próxima segunda, 2 de agosto. Dessa vez, o retorno na maioria das escolas não será escalonado. Todos os segmentos retornarão no mesmo dia. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação de Niterói e a Fundação Municipal de Educação, todas as 94 escolas da rede municipal adotarão o ensino híbrido até setembro.

De acordo com o decreto nº 14009/2021, as aulas presenciais de todos os segmentos de ensino estão autorizadas e, em todos os casos, seguem permitidas também as aulas na modalidade remota. Ao A Seguir: Niterói, a Diretora Pedagógica do Colégio Salesiano Região Oceânica, Claudia Braz, e a Diretora Pedagógica do Colégio Salesiano Santa Rosa, Simone Araújo, destacaram que as duas unidades do colégio continuam oferecendo o ensino híbrido, seguindo o decreto municipal. Ou seja, as famílias optam pelo tipo de modalidade e as aulas são transmitidas de forma simultânea. Todos os segmentos de ensino retornam suas atividades na próxima segunda (2). As diretoras explicam como está sendo o preparo para a volta às aulas:

– Com o avanço no calendário de vacinação, estamos preparados para acolher alunos e educadores na expectativa de recebermos gradativamente um percentual maior na modalidade presencial. Sala de aula, pátio e demais espaços de convivência estão estruturados com base nos protocolos de segurança, e com toques de aconchego. Nosso esforço é para que todos se sintam bem nesse recomeço – pontuaram.

Alunos na aula de Educação Física no colégio Salesiano, unidade Região Oceânica / Foto: Divulgação

No primeiro semestre letivo, a frequência presencial de alunos girou em torno de 60%. Já no Colégio GayLussac, a adesão ao modelo presencial, considerando o primeiro semestre de 2021, foi de 90%. De acordo com a diretora do Colégio, Luiza Sassi, o retorno será de acordo com as exigências da Vigilância, respeitando o distanciamento. O modelo de ensino segue no sistema híbrido e os pais dos alunos podem optar pelo on-line ou presencial.

O Colégio La Salle Abel também seguirá oferecendo aos estudantes as duas modalidades de ensino, remota ou presencial, com transmissão simultânea das aulas. O retorno não será escalonado. Todas as séries de ensino retornam na próxima segunda (2). Aproximadamente 85% das famílias optaram pela modalidade presencial no primeiro semestre. Ao A Seguir, a diretoria da escola afirma que tem acompanhado diariamente as notícias sobre a vacinação e número de contágios para Covid e diz estar com esperança pela proximidade do retorno à normalidade, com segurança e cuidado com a saúde de todos.

Foto: Divulgação Colégio La Salle Abel

No Colégio Pensi, o modelo seguirá o mesmo do segundo semestre de 2020 e primeiro semestre de 2021. Os alunos que optarem pelo modelo remoto continuarão assistindo as aulas de forma simultânea, ou seja, com transmissão ao vivo das aulas presenciais. A interação dos professores com os alunos que escolheram o modelo remoto é feita pelo chat do Google Meet ou pela câmera. A coordenadora pedagógica do Pensi, Christiane Lourenço, afirma que o modelo de retomada das aulas segue com melhorias e ajustes subsequentes, de acordo com as condições de cada turma. Todos os segmentos retornam na próxima segunda (2), à princípio, no esquema de rodízio de alunos.

– Dependendo do tamanho das salas de aula e da quantidade de alunos que optem pelo presencial, a gente faz rodízio da “turma A” e da “turma B”. Em alguns casos, não é necessário porque conseguimos salas maiores ou porque a frequência é baixa e acaba se enquadrando dentro do esperado preconizado pelas normas de vigilância sanitária da Covid.

A coordenadora afirma que a adesão dos alunos muda de acordo com as séries. Nos anos iniciais, da Educação Infantil e do Fundamental, a adesão costuma ser mais alta. No Ensino Médio, a adesão já é um pouco menor, mas ainda assim, a preocupação com o vestibular dos alunos da Segunda e da Terceira Série do Ensino Médio faz com que a adesão aumente.

– O nosso objetivo é conseguir dar sequência ao trabalho dos outros semestres realizado junto aos alunos, garantindo que o processo de ensino seja de fato eficaz para que a gente conseguir entender o que queremos desenvolver nesses alunos, tanto em termos cognitivos e curriculares, como também em termos sociais. A socialização é uma preocupação muito grande nessa época de isolamento. Temos fortes expectativas para esse segundo semestre em relação aos projetos para além das aulas, com disciplinas eletivas, para que possamos desenvolver todos esses aspectos de forma integral – concluiu.

Retorno da rede municipal também será na próxima segunda (2)

A volta às aulas da rede municipal também está marcada para a próxima segunda, 2 de agosto. Procurada pelo A Seguir: Niterói, a Prefeitura informa que implementou uma série de medidas previstas no Plano de Retomada das Aulas que incluem o retorno presencial de forma gradual e segura, com espaços demarcados para o distanciamento. Segundo a Prefeitura, todas as escolas receberam equipamentos de proteção para uso individual e coletivo. A Prefeitura ainda afirma que as escolas passaram por obras de manutenção.

Neste primeiro semestre, 35 escolas municipais retornaram às atividades presenciais. Para agosto, está prevista a abertura de novas unidades. Todas as 94 escolas da cidade adotarão o ensino híbrido até setembro. No momento, os alunos estão no período de recesso escolar, participando das atividades do #ConexãoFériasnaRede pela Plataforma Niterói em Rede.

A Prefeitura ainda ressalta que a implementação do ensino híbrido está ocorrendo de maneira planejada, com adesão crescente das famílias, chegando a mais da metade do público-alvo em sala de aula diariamente. Neste segundo semestre, as atividades serão retomadas obedecendo aos mesmos critérios aplicados no primeiro e contarão com monitoramento constante das equipes da Secretaria Municipal de Educação e a Fundação Municipal de Educação.

Aulas presenciais têm duração reduzida na rede municipal

O ensino híbrido não é obrigatório no município. O formato remoto continua sendo oferecido de maneira assíncrona. As aulas presenciais têm a duração reduzida, totalizando três horas diárias, e limitação máxima de 50% de ocupação das salas. No Ensino Fundamental 1, há revezamento semanal. Já na Educação Infantil, as crianças podem ir para a escola todos os dias e os alunos são divididos em grupos nos turnos da manhã ou da tarde.

Em nota, a Prefeitura de Niterói informa que as escolas entram em contato com os responsáveis para identificar os alunos que optaram pelo presencial e verificam a necessidade de dividir a turma. Quando a demanda pelo presencial é maior que 50% da capacidade, a turma é dividida e o revezamento é semanal: cada semana vai um grupo e o outro fica de forma remota e assim sucessivamente.

Ministro da educação faz apelo para retorno presencial

Mesmo com o avanço de variantes mais contagiosas como a Delta, vinda da Índia, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, fez um apelo para o retorno às aulas presenciais. Em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão na terça-feira, 20 de julho, o ministro da educação conclamou alunos e professores a retomarem as atividades: “O Brasil não pode continuar com as escolas fechadas, gerando impacto negativo nesta e nas futuras gerações. Não devemos privar nossos filhos do aprendizado necessário para a formação acadêmica e profissional deles”, ressaltou.

Segundo o ministro, o retorno ao modelo presencial é uma “necessidade urgente”. Ele destacou ainda que o fechamento de escolas impõe “consequências devastadoras”. Por lei, os estados têm autonomia para decidir sobre volta às aulas na rede estadual e os municípios, na rede municipal.

Contudo, estudo feito por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) aponta que ainda há falhas em protocolos de reabertura das escolas justamente porque não consideram pontos que a ciência já comprovou também serem importantes para frear a contaminação, como ventilação dos espaços e escalonamento no transporte público, para evitar aglomeração. Epidemiologistas também falam em retorno cauteloso e da necessidade de seguir com rigorosidade os protocolos sanitários de combate à Covid-19.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email