Niterói por niterói

Andrea Ladislau

Andrea Ladislau é graduada em Letras e Administração de Empresas, pós-graduada em Administração Hospitalar e Psicanálise e doutora em Psicanálise Contemporânea. Tem especialização em Psicopedagogia e Inclusão Digital. Na pandemia, criou no Whatsapp o grupo Reflexões Positivas, para apoio emocional a pessoas do Brasil inteiro.
Publicado

Impactos da pandemia na saúde mental

imagem com a palavra quarentena

Dois anos se completam de um dos desafios mais inusitados e assustadores que assolou a população mundial: a pandemia do Coronavírus. Um vírus invisível que nos roubou a paz, modificou nossas formas de demonstração de afeto, isolou o indivíduo e fez florescer sentimentos confusos e devastadores, afetando tanto a saúde física e mental do ser humano. Não bastante, ao longo deste prolongado período, somaram-se milhares de mortes que separaram famílias e demonstraram, de forma bem dolorosa, o quanto somos frágeis e não temos controle de nada em nossas vidas. Outro ponto bem interessante observado neste período, foi a explosão tecnológica que nos aproximou das pessoas no isolamento social e a implantação definitiva, em alguns casos corporativos, de uma nova modalidade de trabalho: o Home Office. Tristes constatações oriundas da eclosão pandêmica do Covid-19.

O aparecimento de várias ondas, variações e picos de contaminação da doença, bem como as novas ondas que foram surgindo ao longo destes dois anos, como a da variante Ômicron chegam em meio a um cenário recheado por profissionais, principalmente, os da linha de frente, esgotados, cansados, fragilizados e, até de certa forma, desanimados com os rumos da doença, uma vez que mal saímos de uma onda dramática e já entramos em outra. Mas não só estes estão exauridos física e mentalmente, a humanidade inteira está.

Trazendo para a saúde mental, não posso deixar de citar alterações significativas no CID – Classificação Internacional de Doenças. Atualizado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) o CID 11 entrou em vigor em Janeiro/22. Consta agora em suas novas especificações, doenças como: distúrbios de games, estresse pós-traumático, saúde sexual, alterações do Transtorno do Espectro Autista e a síndrome de Burnout (como um fenômeno ocupacional). Ou seja, novos olhares para as dores físicas ou mentais que acometem o ser humano em um momento tão difícil.

No caso da saúde mental precisamos destacar que, apesar de tudo houve um certo ganho, pois sinais da desmistificação do tabu e preconceito com o trato mental e uma maior valorização da inteligência emocional, foram observadas. Visto que, a busca pelo cuidado e entendimento com as doenças da mente, cresceram em torno de 50% no período. Fato é que, podemos ser muito mais eficientes se começarmos a entender e saber lidar com nossas emoções, elevando a autoconsciência, gerenciando humor, manejando os relacionamentos e promovendo a automotivação e a empatia.

Diante de tudo isso e pela alta procura por atendimento psicoterápico, objetivando levar mensagens positivas e reflexões que possam fortalecer o autoconhecimento e potencializar o “EU” interior à luz da Psicanálise, foi criado em abril de 2020, no auge da pandemia, o Grupo Reflexões Positivas. Um grupo silencioso no Whatsapp, no qual todos dias são disponibilizadas mensagens inspiradoras e dicas para aumentar o bem estar, favorecer o equilíbrio mental e propiciar ao indivíduo o melhor entendimento do mundo, através do desenvolvimento de um olhar mais otimista e reflexivo.

A iniciativa deu tão certo que, em 2021 foi preciso abrir mais um grupo para acolher toda a procura. O sucesso dessa iniciativa de atingir e acolher o maior número de pessoas possível é tanto que, o Reflexões Positivas já se transformou em um programa de rádio de abrangência nacional e em breve será lançado um livro/presente com a coletânea de todas as mensagens enviadas. Se desejar fazer parte deste grupo, é necessário apenas solicitar sua entrada através das minhas redes sociais.

Enfim, a pandemia modificou nossa vida em muitos aspectos. Portanto, devemos estar atentos e cientes que as emoções impactam diretamente na performance, nas respostas e na produtividade do ser humano. O estresse, a depressão e a desmotivação impedem o indivíduo de ser produtivo e criativo, limitando sua atuação e comprometendo seus relacionamentos e suas entregas pessoais. Saber gerenciar esses sentimentos e emoções irá potencializar força e habilidade para a realização dos desejos e das tomadas de decisões mais assertivas.

A canalização emocional com sabedoria propiciará uma análise consciente dos aspectos desafiantes aos quais somos confrontados diariamente. Afinal, a mente humana é, sem dúvida, a parte do corpo mais exigida dentre todos os desafios cotidianos.

Dra. Andréa Ladislau
Psicanalista

COMPARTILHE